Pesquisar este blog

Carregando...
“O Evangelho todo, _para o homem todo, _para todos os homens”

terça-feira, 19 de novembro de 2013

AS TRES CARTAS DE TEDDY

Alguns irmãos me perguntaram a respeito do texto que li no final da mensagem desse domingo, portantomestou colocando omtexto aqui, na íntegra - o livro é Histórias para o Coração. - lembrem-se Deus nos fez vencedores.

A carta de Teddy chegou hoje, e, agora que já a li, vou guardá-la em meu baú de cedro, com as outras coisas que são importantes para a minha vida.

''Eu queria que a senhora fosse a primeira a saber.''
Sorri ao ler estas palavras, e meu coração se encheu de um orgulho que eu não deveria sentir.

Não vejo Teddy Stallard há 15 anos, época em que ele foi meu aluno na quinta série. Eu estava no início de carreira e começara a lecionar havia apenas dois anos.
Não gostei de Teddy,desde o primeiro dia que ele entrou em minha classe. Os professores (embora nem todos saibam fazer a diferença) não devem demonstrar preferência por nenhum aluno e, acima de tudo, não devem demonstrar antipatia por uma criança, por qualquer criança.

Contudo, todos os anos aparecem uma ou duas crianças pelas quais não podemos deixar de sentir certa afeição, porque os professores são humanos, e faz parte da natureza humana gostar de pessoas espertas, bonitas e inteligentes, quer tenham dez ou 25 anos de idade. E, ás vezes, com pouca frequência, felizmente, há um ou dois alunos com os quais o professor não consegue ter um bom relacionamento.

Eu me considerava perfeitamente capaz de lidar com meus sentimentos em tais situações, até o dia em que Teddy entrou em minha vida. Naquele ano, não havia nenhum aluno especial do qual eu gostasse; mas Teddy era, certamente, um menino com quem eu não me simpatizava.

Ele era um garoto sujo. Não de vez em quando, mas sempre. Seu cabelo caía por cima das orelhas, e ele precisava afastá-lo dos olhos para conseguir escrever. (Naquela época, o cabelo comprido não era moda!). Além disso, seu corpo exalava um odor que nunca consegui indentificar. 

Sua aparência física era horrível, e seu intelecto deixava muito a desejar. No final da primeira semena, eu já sabia que ele não acompanharia os demais alunos. Além de não acompanhar, era lento demai! Comecei a afastar-me dele imediatamente. Qualquer professor vai dizer que se sente mais do que satisfeito quando ensina uma criança inteligente.

É muito mais compensador para o ego. Porém qualquer professor que se preze de canalizar o trabalho para o aluno inteligente, no intuito de estimulá-lo, enquanto dedica maior empenho ás crianças mais lentas. Qualquer professor pode fazer isso. A maioria faz, mas eu não fiz. Não naquele ano.

A bem da verdade, concentrei-me em meus melhores alunos e deixei que os outros os acompanhassem dentro do possível.

Embora me sinta envergonhada por ter de admitir, eu nutria um perverso prazer em usar a caneta vermelha; e, todas as vezes que eu corrigia as provas de Teddy, as cruzes vermelhas (e havia muitas) eram sempre um pouco maiores e um pouco mais acentuadas do que o necessário. ''Insatisfatório!'' - eu escrevia com letras floreadas.

Apesar de não ridicularizar o garoto, minha atitude era visível aos outros alunos, porque ele passou rapidamente a ser a ''ovelha negra''da classe, o excluído: aquele que não era digno de ser amado.

Teddy sabia que eu não gostava dele, mas não sabia por quê. Eu também, não sabia - nem naquela época nem agora. - por que sentia tamanha antipatia por ele. Só sei que ninguém gostava dele, e eu não fiz nenhum esforço para mudar essa situação.

Os dias foram passando. Comemoramos o Festival de Outono e o Dia de Ação de Graças, e eu continuava a usar minha caneta vermelha com grande satisfação.
Quando o Natal se aproximou, eu sabia que Teddy não teria condições de se recuperar a tempo de passar para a sexta série. Ele repetiria o ano.

Para justificar-me, eu relia seu currículo escolar, de tempos em tempos. Suas notas haviam sido muito baixa nos quatros primeiros anos, mas ele nunca foi reprovado. Como ele conseguiu essa façanha, eu não sabia. Resolvi concentrar-me nas anotações sobre sua personalidade.

Primeira série: Teddy demonstra ter um futuro, em razão de seu trabalho e atitudes; mas o ambiente em seu lar não é bom. Segunda série: Teddy poderia ser melhor aluno. Sua mãe está doente e em estado terminal. Ele recebe pouca ajuda em casa. Terceira série: Teddy é um menino amável.

Prestativo mas muito sério. Lento para aprender. A mãe morreu no fim do ano.

Quarta série: Muito lento, porém bem comportado. O pai não demonstra nenhum interesse pelo filho.

Bem, ele foi aprovado quatro vezes. Mas certamente repetirá a quinta série! FAÇA ALGUMA COISA POR ELE! - EU DISSE A MIM MESMA.

Chegou o último dia de aula, antes do Natal. Nossa pequenina árvore em cima da mesa de leitura estava enfeitada com papel e pipoca. Havia muitos presentes amontoados embaixo dela, á espera do grande momento.

Os professores sempre recebem vários presentes no Natal, mas naquele ano, os meus foram em número muito maior e eram muito mais requintados. Não houve um só aluno que não tivesse trazido um presente. Cada pacote desembrulhado provocava gritos de alegria seguidos de efusivos agradecimentos áquele que o oferecera.

O presente de Teddy não foi o último que peguei; estava no meio da pilha, acondicionado num sacode papel marrom, enfeitado com desenhos de árvores de Natal e sinos vemelhos, feitos por ele mesmo.

A boca do saco estava amarrada com fita adesiva invisível.

''Para a Srta Thompsom, de Teddy'' - ele havia escrito.
Um completo silêncio abateu-se sobre o grupo, e, pela primeira vez, eu me senti observada e constrangida, porque todos estavam aguardando que eu abrisse o presente.

Quando retirei o último pedaço da fita adesiva, dois objetos caíram em minha mesa: um vistoso bracelete imitando jóia, no qual faltavam vária pedras, e um pequeno frasco de colônia barata - pela metade.

Ouvi as risadinhas e os cochichos, e eu não tinha certeza se poderia olhar para Teddy.

- Não é lindo? - perguntei, colocando o bracelete no pulso. - Teddy, você poderia ajudar-me a fechá-lo?

Ele sorriu com timidez, enquanto prendia o fecho, e eu levantei o braço para que todo admirassem o bracelete. Ouvi alguns ''ooohs'' e ''aaahs'' hesitantes; mas, quando coloquei uma gota da colônia atrás da orelha, todas as meninas se enfileiravam para receber uma gota também.

Continuei a abrir os presentes, até chegar ao último da pilha. Comemos alguns petiscos, e a sineta tocou.

As crianças se despediram com gritos de ''Até o ano que vem!'' e '' Feliz Natal ''. Mas Teddy continuou sentado em sua cadeira. Depois que todos saíram, ele caminhou em minha direção, segurando firme contra o peito os livros e o presente que ganhou.

- A senhora é parecida com minha mãe - ele disse mansamente. - o bracelete dela também fica muito bonito no pulso da senhora. Que bom que a senhora gostou!

Após essas palavras, ele saiu rapidamente.

Tranquei a porta, sentei-me diante de minha mesa e chorei, resolvida, agora, a oferecer a Teddy tudo o que eu, deliberadamente, lhe negara - o carinho de uma professora. Depois dos feriados de Natal, passei todas as tardes com Teddy até o último dia de aula. Ás vezes trabalhavámos juntos. Outras ele trabalhava sozinhos,enquanto eu preparava as aulas ou as provas.

Lentamente, mas com determinação, ele alcançou o restante da classe. Apesar de saber que Teddy se mudaria para outro Estado quando as aulas terminassem, eu não sentia preocupação em relação a ele. Teddy havia atingido um estágio que o levaria a manter um bom nível no ano seguinte, em qualquer colégio que estudasse. Ele havia desfrutado uma boa dose de sucesso, e, conforme aprendemos no curso de magistério, 

                                    "o sucesso consolida o sucesso''


Só recebi notícias deTeddy sete anos depois, quando encontrei sua primeira carta em minha caixa de correio.


Prezada Srta. Thompsom,
Eu queria que a senhora fosse a primeira a saber. Vou receber o diploma como segundo aluno da classe, no próximo mês. Cordialmente,
Teddy Stallard

Enviei-lhe um cartão de congratulações e um pequeno presente: um conjunto de caneta e lápis. Eu gostaria muito de saber o que ele faria após receber o diploma.


Quatro anos depois, chegou a segunda carta de Teddy.


Prezada Srta. Thompsom,
Eu queria que a senhora fosse a primeira a saber. Fui informado de que vou receber o diploma como primeiro aluno da classe. O curso na faculdade não foi fácil, mas eu gostei. Cordialmente
Teddy Stallard

 Enviei-lhe um belo par de abotoaduras de prata, com suas iniciais,acompanhado de um cartão. Estava tão orgulhosa dele que parecia que ia explodir!


E hoje... chegou a terceira carta de Teddy.


Prezada Srta Thompsom,
Eu queria que a senhora fosse a primeira a saber. A partir de hoje, sou médico, Dr Theodore Stallard. Que tal!!??
Vou me casar em julho. No dia 27, para ser mais exato. Eu gostaria que a senhora comparecesse e se sentasse no lugar onde minha mãe se sentaria se estivesse aqui. Não tenho mais família, porque meu pai morreu no ano passado. Cordialmente,
Teddy Stallard

Não sei ao certo que tipo de presente se deve enviar a um médico, quando se conclui a faculdade de medicina. Mas a carta não pode esperar.


Prezado Ted,
Parabéns! Você conseguiu, e conseguiu com o próprio esforço! Apesar de pessoas como eu, e não por minha causa, o seu dia chegou.
Deus o abençoe. Estarei presente ao casamento quando os sinos estiverem tocando!!!

ELISABETH SINLANCE BALLARD 

 

 



aaaaaaaa

Povos Não Alcançados pelo Evangelho

Charge

Charge
Jasiel Botelho

O Evangelho de Reino - Ariovaldo Ramos

Noticiário Portas Abertas

aaaa